Colônias espirituais

tiroles

18 jul 2011

Por Thiago S. Argolo e Riviane Damásio

Pintura de Jacques Réattu 1760-1833: Der Triumph der Zivilisation ("Os Deuses do Olimpo")

 

Desde a chegada do Espiritismo no Brasil, há décadas, vem se acumulando assustadoramente livros e livros de espíritas e espíritos que estão na prateleira do Espiritismo. Mas basta um leitor mais cuidadoso confrontar o conteúdo com a base da Doutrina Espírita, que atende pelo nome de O Livro dos Espíritos que veremos o choque de conceitos, claramente expressos entre um e outro. O cume deste confronto ideológico de conceitos atende pelo nome de “Colônias Espirituais”.

Os incautos podem então afirmar que tanto numa quanto na outra obra, são retratadas palavras de espíritos, e nada há para validar ou invalidar as afirmações. Entretanto, ao curioso e atento leitor que pretenda se denominar Espírita, não há de ter passado despercebido bem no início de O Evangelho Segundo o Espiritismo – outra obra considerada básica no cerne doutrinário espírita – um capítulo que atende pelo nome de CONTROLE UNIVERSAL DO ENSINO DOS ESPÍRITOS – CUEE.  Temos ali, revelados numa linguagem relativamente simples e inteligível, o caminho das pedras para a validação de uma obra espírita, inclusive e principalmente, o caminho de aferição da própria Doutrina Espírita, que não “caiu do céu” simplesmente, como acontece com tanta literatura fácil no meio.

O CUEE mostra a preocupação dos Espíritos, acatada por Kardec em todo o seu trabalho, do uso de metodologia, razão e bom senso.  O cuidado no aceitar qualquer coisa que venha de um médium ou de um espírito, está refletido no alerta do CUEE e também em toda a obra de O Livro dos Médiuns.

Deparamo-nos então com dois tipos de erros graves: A preguiça de aferir pelo método aquilo que supostamente é revelado como novo e o descaso com o rico conteúdo doutrinário que apesar de não estar fechado, ainda é jovem, e fonte preciosa de estudos e revelações. E não raras vezes, a doutrina é rechaçada pela prática espírita vigente, virando mero objeto de ilustração, supostamente inspirando por aí, supostos “filhos” ou filiados desta doutrina, mas que não trazem em suas obras, colocações e práticas doutrinárias - o fruto que comprovaria seu DNA.

No mais, no capítulo do Controle Universal do Ensino dos Espíritas, temos o alerta tão especialmente perfeito:

Os Espíritos Superiores procedem, nas suas revelações, com extrema prudência. Só abordam as grandes questões da doutrina de maneira gradual, à medida que a inteligência se torna apta a compreenderas verdades de uma ordem mais elevada, e que as circunstâncias INTRODUÇÃO são propícias para a emissão de uma idéia nova. Eis porque, desde o começo, eles não disseram tudo, e nem o disseram até agora, não cedendo jamais à impaciência de pessoas muito apressadas, que desejam colher os frutos antes de amadurecerem. Seria, pois, inútil, querer antecipar o tempo marcado pela Providência para cada coisa, porque então os Espíritos verdadeiramente sérios recusam-se positivamente a ajudar. Os Espíritos levianos, porém, pouco se incomodando com a verdade, a tudo respondem. É por essa razão que, sobre todas as questões prematuras, há sempre respostas contraditórias.”

Como é vida após a morte? Seria a pergunta chave que culmina em tanta controvérsia entre espíritas diversos. Por um lado, defensores do relato dos Espíritos Superiores, Laboratório de estudos psíquicos de Kardec, e outras obras mais antenadas com o Espiritismo, acham graça dos mitos que permeiam as crenças: umbrais, colônias, hospícios, hospitais, verdadeiros elefantes brancos espirituais, que em suma se existissem não justificariam a encarnação, pois sendo cópia do mundo terrestre, desnecessário seria aos espíritos destes mundos encarnarem para sua evolução.

O choque materialista, trava a batalha da razão versus a emoção de evitar conceber um mundo espiritual sem os acessórios terrenos.

Na instrução dos Espíritos da Codificação, concluímos após leitura atenta, que a Terra não é uma cópia do plano espiritual, sendo o mundo espiritual o principal e o material, secundário que poderia até mesmo não existir. Este mundo é fruto das nossas necessidades materiais e orgânicas enquanto espíritos encarnados, desnecessário, portanto, ao espírito desencarnado, cujo foco é o seu progresso intelectual e moral.  O ambiente terrestre também pode ser concebido como o laboratório onde iremos colocar em ação vivencial os nossos avanços.  Se em erraticidade tivéssemos uma cópia da terra, encarnar seria supérfluo e desnecessário. Não haveria motivo para encarnar, se no mundo espiritual apresenta as mesmas condições materiais para se evoluir.

Em certa literatura que se denomina Espírita, lemos:“O Umbral – continuou ele, solícito – começa na crosta terrestre. É a zona obscura de quantos no mundo não se resolveram a atravessar as portas dos deveres sagrados, a fim de cumpri-los, demorando-se no vale da indecisão ou no pântano dos erros numerosos.” (...) “O Umbral funciona, portanto, como região destinada a esgotamento de resíduos mentais; uma espécie de zona purgatorial, onde se queima, a prestações, o material deteriorado das ilusões que a criatura adquiriu por atacado, menosprezando o sublime ensejo de uma existência terrena."

Entra então o conceito de existir. Será Existência "real/material" ou existência "psíquica"? Segundo O Livro dos Médiuns, nos redutos espirituais não há existência concreta, são de curta duração, transitórias, fluídicas... O Livro dos Espíritos afirma que não existe purgatório e nenhum local destinado a penas ou sofrimentos, o que existem são aglomerações por afinidades de Espíritos ainda apegados à matéria. Necessidades materiais apenas são contempladas em mundos materiais e não num contexto espiritual.

Temos então, vários mundos materiais, prontinhos para serem sugados/desbravados/obsedados por espíritos ainda apegados à matéria, que não precisam demandar tempo e esforço em criarem clones terrestres deste à moeda até os trambolhos habitacionais.

Os espíritos em erraticidade e encontram numa dimensão invisível ao nosso olhar racional, mas tecnicamente podem estar aqui do nosso lado, se ainda apegados aos nossos impulsos primários e muito distantes se avançados em sua evolução.

Cabe-nos entender principalmente que o caminho evolutivo é longo e penoso. Não só para os que desligados do corpo terrestre, caminham para o fim destinado a todos os espíritos – o da purificação – quanto aos que se encontram neste intervalo encarnatório, em lutas quixotescas contra as páginas de Kardec e dos Espíritos da Codificação que tão bem ilustram nossas dúvidas e anseios do porvir. Duvidas estas embaçadas pelos nossos olhos que se recusam a ver e nosso orgulho se recusa a entender.

 

REFERÊNCIAS

KARDEC, Allan, O Livro dos Espíritos – 1857. Tradução Ed. Lake, 1995, Herculano Pires

KARDEC, Allan, O Evangelho segundo o Espiritismo - 1863, Tradução Ed. Lake, 2003, Herculano Pires

XAVIER, Chico , Nosso Lar - Ed. Feb, 1944 - 45ª edição

Tags

image-example

tiroles

Comentários

imagem de Aires Santos da Costa

Colônias Espirituais

Sobre esse assunto encontramos também em O Livro dos Espíritos, Questão 1017 o seguinte:
 
1017 Alguns Espíritos disseram estar habitando o quarto, o quinto céu, etc.; o que quiseram dizer com isso?

– Se lhes perguntais qual céu habitam é porque tendes uma idéia de muitos céus sobrepostos, como os andares de uma casa. Então, eles respondem conforme vossa linguagem. Mas, para eles, essas palavras, quarto e quinto céu, exprimem diferentes graus de depuração e, conseqüentemente, de felicidade. É exatamente como quando se pergunta a um Espírito se ele está no inferno; se é infeliz, dirá que sim, porque para ele inferno é sinônimo de sofrimento; porém, ele sabe muito bem que não é uma fornalha. Se fosse um pagão diria que estava no Tártaro.

 O mesmo acontece com muitas outras expressões semelhantes, como: cidade das flores, cidade dos eleitos, primeira, segunda ou terceira esfera, etc., que não passam de expressões usadas por certos Espíritos, quer como figuras, quer algumas vezes por ignorância da realidade das coisas e até mesmo das mais simples noções científicas.

De acordo com a idéia restrita que se fazia antigamente dos lugares de sofrimentos e recompensas, e principalmente com a opinião de que a Terra era o centro do universo, de que o céu formava uma abóbada e que havia uma região de estrelas, colocava-se o céu em cima e o inferno embaixo. Daí as expressões: subir ao céu, estar no mais alto dos céus, estar precipitado no inferno. Hoje a ciência demonstra que a Terra não passa de um dos menores planetas, sem importância especial. Entre milhões de outros, traçou a história de sua formação e descreveu sua constituição; provou que o espaço é infinito, que não há nem alto nem baixo no universo, e assim impôs a rejeição à idéia de situar o céu acima das nuvens e o inferno nos lugares baixos. Quanto ao purgatório, nenhum lugar lhe fora designado. Estava reservado ao Espiritismo dar sobre todas essas coisas a explicação mais racional, grandiosa e, ao mesmo tempo, mais consoladora para a humanidade. Assim, pode-se dizer que levamos em nós mesmos nosso inferno e nosso paraíso e, quanto ao purgatório, nós o encontramos em nossa encarnação, em nossas vidas físicas.
 
    O complemento da explicação para tudo isso encontramos na Questão 1014 do mesmo Livro, vejamos:
 

1014 Como se explica que Espíritos, que pela sua linguagem revelam superioridade, tenham respondido a pessoas muito sérias a respeito do inferno e do purgatório, de acordo com a idéia corrente que se faz desses lugares?

– Eles falam uma linguagem que possa ser compreendida pelas pessoas que os interrogam, e quando essas pessoas se mostram convictas de certas idéias evitam chocá-las bruscamente para não ferir suas convicções. Se um Espírito quisesse dizer, sem precauções oratórias, a um muçulmano que Maomé não foi profeta, seria muito mal compreendido.

Saudações.

imagem de Aires Santos da Costa

Colônias Espirituais

Outra explicação que podemos acrescentar para justificar certas vidências sobre cidades ou colônias espirituais é que, em nossas observações das reuniões mediúnicas que participamos em nossa cidade, Leopoldina-MG, somos obrigados a revelar que grande parte dos médiuns, por motivos diversos que não nos cabe julgar, confundem "Mundo Espiritual" com "Mundos Físicos Superiores". Sabemos que em Júpter, por exemplo, seus habitantes encarnados, embora com corpos bem mais etéreos que os nossos, habitam lares flutuantes e eles próprios volitam sobre o solo. Sabemos também que lá existem animais, embora diferentes dos nossos. A questão é: será que esses mesmos médiuns teriam noção de identificar se as tais "colônias" que vêem encontram-se no mundo espiritual ou num mundo físico superior a Terra?

imagem de Aires Santos da Costa

Colônias Espirituais

Em alguns comentários foi feita a seguinte pergunta: Se não há as tais colônias, para onde vão os espíritos? 

O Livro dos Espíritos. 87 Os Espíritos ocupam uma região determinada e circunscrita no espaço?

– Os Espíritos estão em todos os lugares, povoam infinitamente os espaços. Estão sempre ao vosso lado, vos observam e agem entre vós sem os perceberdes, porque os Espíritos são uma das forças da natureza e os instrumentos dos quais Deus se serve para a realização de Seus desígnios providenciais. Mas nem todos vão a todos os lugares, porque há regiões interditadas aos menos avançados.

Comentar

O conteúdo deste campo é privado não será exibido ao público.
  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Quebras de linhas e parágrafos são feitos automaticamente.
  • Use to create page breaks.
  • You may use [swf file="song.mp3"] to display Flash files and media.

Mais informações sobre as opções de formatação